DEDETIZAÇÃO CONTRA ESCORPIÕES
23/01/2017
Escorpião amarelo | Real Dedetização de escorpião, ratos, baratas
Biólogo alerta para proliferação de escorpiões no ambiente urbano
03/02/2017
Exibir tudo

Belo Horizonte vai usar a tecnologia para identificar criadouros do aedes aegypti

Belo Horizonte poderá contar com um aliado especial no combate ao Aedes aegypti ainda na atual temporada chuvosa. Se a intenção da Prefeitura de BH se concretizar, a tecnologia vai ajudar os agentes de saúde a descobrir mais facilmente os criadouros do mosquito transmissor da dengue, zika vírus e febre chikungunya por meio de um bastão para locais com até 4,5 metros de altura. O objeto possui uma câmera instalada na ponta e um visor na base, garantindo ao servidor da PBH a visualização de lugares que, antes, demandariam o uso de escadas ou ficariam até mesmo descobertos, por conta da dificuldade de acesso. Nesta sexta-feira, o objeto já foi testado em vistorias feitas pela prefeitura dentro da programação do dia nacional de combate ao mosquito. “Isso foi uma inovação em função das dificuldades que os agentes tinham de vistoriar as calhas (de escoamento da água da chuva), sobretudo em calhas de segundo andar”, diz o coronel Alexandre Lucas, coordenador da Defesa Civil municipal. Atualmente, o órgão já conta com quatro equipamentos, mas a expectativa do secretário de Saúde de Belo Horizonte, Fabiano Pimenta, é adquirir em torno de 400, ao custo de cerca de R$ 500 mil, ainda este ano para que a próxima gestão possa usar os equipamentos. Antes, é necessário concluir a negociação com a empresa inventora do aparelho. O coronel Alexandre Lucas sustenta que, além de descobrir focos do mosquito em locais de difícil acesso, o bastão vai facilitar muito o trabalho de vistoria em locais onde não forem encontrados moradores. As imagens das câmeras poderão mostrar se aquela casa tem características de abandono ou se é de alguém que está fora no momento. “Ou ali mora uma pessoa que está trabalhando e aí poderemos agendar a visita noturna, ou é uma casa abandonada Nesse caso, a operação vai ser a entrada forçada”, afirma. Por fim, o coronel diz que o objeto também será importante para a Defesa Civil, na hora de vistoriar vigas e estruturas de engenharia que podem estar comprometidas.

Fonte: EM
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *