Cientistas criam modelo computacional para prever epidemia de zika
27/05/2017
Um novo jeito de proteger as crianças dos mosquitos
01/06/2017
Exibir tudo

Mais de 50 novas espécies de aranhas descobertas numa única expedição

SPIDERS Salticidae Jotus sp. nov. cf auripes New Species, closest yet to the type species Jotus auripes which also has vivid red orange inner legs 1.

Uma equipa de 23 cientistas a trabalhar em conjunto com o programa de pesquisa australiano Bush Blitz examinou a região, que nunca tinha sido investigada antes, e descobriu que a região pode vangloriar-se de ter uma extraordinária variedade de aracnídeos.

Os achados não teriam sido possíveis sem a ajuda dos guias indígenas de Quinkan Country e de proprietários locais. A expedição também eneficiou de uma exuberante temporada de chuvas, que preparou o palco para novas descobertas todos os dias.

“Sob uma rocha, por baixo de um barranco atravessado por uma fonte de água doce, encontrei espécies de seis ordens de aracnídeos”, conta o aracnólogo Robert Raven, do Queensland Museum, ao portal Australian Geographic.

Foi absolutamente espetacular ver todos estes seis grupos juntos”.

Os novos animais precisam agora de ser formalmente classificados pela equipa. No entanto, há uma boa probabilidade de a maioria destas criaturas serem realmente desconhecidas até agora para a ciência.

Entre os novos achados estão aranhas que comem formigas e escapam à detecção imitando as suas presas, tarântulas, aranhas do tamanho de pratos de almoço e minúsculas aranhas saltadoras, como a Saliticidae Jotus sp. Nov. Cf auripes, retratada no topo desta página.

Esta expedição é um lembrete valioso de quão ecologicamente ricas podem ser algumas regiões nunca estudadas do mundo.

“Realizámos 34 expedições, mas é provável que esta expedição produza o maior número de descobertas de novas espécies até agora”, disse Jo Harding, directora da Bush Blitz, num comunicado à imprensa.

“Com as mais de 1.200 novas espécies descobertas pela Bush Blitz, estamos lentamente a preencher lacunas no nosso conhecimento da biodiversidade australiana”, concluiu Harding.

Fonte: Zap

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *