‘Tudo vira criadouro’ de mosquitos, diz professora da USP
31/03/2017
Ibama apura denúncias de que macacos estão sendo mortos em MG
02/04/2017
Exibir tudo

Cidades do Triângulo e Alto Paranaíba têm 64 casos de gestantes com zika

Desde o início da divulgação do Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue, Chikungunya e Zika Vírus em Minas Gerais, em 2015, já foram contabilizados 64 casos de gestantes confirmadas para vírus zika nas regiões do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba. Os dados são da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG). A última atualização do boletim foi feita nesta quarta-feira (22).

No Alto Paranaíba, as cidades de Araxá e Patos de Minas têm um caso registrado cada. No Triângulo Mineiro, um caso em Campo Florido e um em Ituiutaba; cinco em Frutal e cinco em Araporã; Uberaba tem 24 casos e Uberlândia 26.

Em Minas Gerais, ao todo, foram notificados 316 casos de recém-nascidos com suspeita de infecção congênita por STORCH (grupo de doenças infecciosas: Sífilis, Toxoplasmose, Rubéola, Citomegalovirose e Herpes) +zika/microcefalia. Estão em investigação 264 casos. Foram confirmados um caso positivo em Uberaba e um caso em Nova Ponte.

Dengue em MG
Ainda segundo o boletim, em 2017 o estado registrou, até a última segunda-feira (20), 9.679 casos prováveis de dengue. Nesta classificação, estão incluídos os casos confirmados e os casos suspeitos de dengue.

Em 2016, foram confirmados 253 óbitos por dengue; desses 50,9% dos pacientes apresentaram faixa etária a partir de 65 anos de idade. Minas Gerais tem 40 óbitos suspeitos de dengue que estão em investigação deste mesmo ano. Até o momento, em 2017, há seis óbitos suspeito por dengue em investigação.

Febre Chikungunya em MG
Em 2016, foram confirmados casos autóctones, isto é, a contaminação ocorreu em Minas Gerais. Com a alteração no cenário epidemiológico do estado, que atualmente possui a circulação do vírus em seu território, o ano de 2017 apresenta, do início de janeiro até agora, um total de 828 casos prováveis de chikungunya, superando os anos anteriores avaliando o mesmo período.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *