Combate ao Aedes aegypti ainda é principal arma contra o zika
10/12/2016
Cemitérios apostam em galinhas para combater escorpiões no Sul de MG
12/12/2016
Exibir tudo

Chuvas aumentam risco das doenças transmitidas pelas pragas urbanas

A Leptospirose, transmitida pela urina do rato, e a dengue são as mais comuns

Os especialistas da APRAG – Associação dos Controladores de Vetores e Pragas Urbanas recomendam atenção redobrada nesta época do ano, em que as fortes chuvas aumentam o risco das doenças transmitidas pelas pragas, e que podem ser fatais. Segundo o biólogo e vice-presidente executivo da associação, Sérgio Bocalini, “as ações são simples e velhas conhecidas da população, como não deixar água parada e evitar o contato com a água de enchentes, mas muitas vezes essas atitudes não são tomadas”.

Causada pela bactéria Leptospira interrogans, transmitida pela urina do rato, a Leptospirose é um problema recorrente todos os anos. Além da dor intensa nas batatas das pernas, os primeiros sintomas da Leptospirose são muito parecidos com os de uma gripe comum, mas podem evoluir, atacar órgãos vitais e até levar à morte.

O especialista da APRAG recomenda que após uma enchente, no momento da limpeza da casa e dos quintais, as pessoas utilizem luvas e botas de borracha para evitar contato com a água e lama. Outra medida importante a ser adotada é realizar a higienização da casa e dos utensílios com água sanitária. “Estas são ações importantes, mas como muitas vezes é difícil evitar o contato com a água, quando a enchente ocorre, recomendamos ações preventivas de combate à infestação de roedores”, afirma Bocalini. “Ações como evitar o acúmulo de lixo, manter casas e quintais sempre limpos e pedir ajuda de especialistas no combate às infestações fazem toda a diferença, pois combatem o transmissor da doença”, completa.

Estima-se que na cidade de São Paulo cerca de 25% dos domicílios estejam infestados, número que pode crescer ainda mais, pois cada fêmea adulta de um roedor urbano pode ter de 4 a 12 ninhadas por ano, com uma média de 3 a 12 filhotes, dependendo da espécie. Devido ao grande número de roedores, só em 2008, segundo o Centro de Vigilância Epidemiológica, o Estado de São Paulo registrou 512 casos confirmados de Leptospirose, com 70 óbitos.

Sérgio Bocalini afirma ainda que é preciso ficar atento a outro perigo no combate aos roedores. “Os produtos ilegais, como o chumbinho, muitas vezes são utilizados pela população na busca por uma solução rápida. Mas, ao invés de solucionar o problema, este tipo de produto coloca em risco a vida de pessoas, principalmente crianças, e animais domésticos”, diz o especialista.

Fonte: APRAG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *